Saiba mais
Idioma
Menu
Menu
Idioma

Veículo Elétrico Latino-Americano encerra mais uma edição com sucesso de público, novas soluções elétricas e muito conteúdo

16 OUT 2019 - 00H00 | ATUALIZADA EM 16 OUT 2019 - 14H28

A 15ª edição do Veículo Elétrico Latino-Americano, que aconteceu entre os dias 1 e 3 de outubro, no Transamerica Expo Center, zona sul de São Paulo, reuniu mais de 60 marcas em um espaço de 6.000 m2. Foram 7.200 visitantes durante os três dias, que puderam encontrar novidades em produtos, serviços e soluções para a eletrificação de veículos no País. O evento, mais uma vez, se consagrou como uma das principais plataformas de desenvolvimento para veículos elétricos e mobilidade no Brasil.

As marcas presentem puderam mostrar seus produtos e projetos para implementar a mobilidade elétrica na rotina da população e, assim, diminuir a emissão de gases poluentes e promover um mundo mais sustentável. No pavilhão estiveram as principais montadoras que trouxeram novidades em híbridos e elétricos, como a Toyota, com o novo Corolla Híbrido Flex, o Arrizo 5e, recém-lançado, e o Tiggo 2e, ambos da CAOA CHERY; os modelos Zoe, Kangoo e Twizzy, da Renault; e o iEV20 e iEV40, da JAC. Todos os modelos estavam disponíveis para test-drive, que ao todo somaram 1.900 participações, aproximando ainda mais os visitantes da vida elétrica.

A Renault saiu satisfeita com a qualidade do público, tanto nos testes quanto na exposição, e destacou que o carro elétrico já é o presente. “Fiquei muito impressionada positivamente, achei um público bastante qualificado de profissionais do setor. O setor da mobilidade envolve muitos parceiros. Para a Renault, o carro elétrico não é o futuro. Para nós, o carro elétrico já é o agora e nós estamos apostando todas as nossas fichas nele”, explica Silvia Barcik, diretora de Mobilidade Sustentável da Renault.

Além dos carros, também estavam disponíveis para testes diversas bicicletas elétricas no Pavilhão E-bikes. O espaço contou com as marcas Ducati Energia, Pedalla, Five, ATRIO e General Wings. Drones e patinetes também foram destaques e contaram com áreas exclusivas para experimentação, dando ao público a chance de conhecer outras formas de contribuir com o meio ambiente e fazer parte deste novo cenário tecnológico da mobilidade.

“Este evento é bastante importantepara fomentar, cada vez mais, esse mercado de mobilidade elétrica. Trata-se de uma oportunidade de extrema importância para que todos tenham consciência da mobilidade elétrica. A feira foi fundamental para comprovar ao público que é possível ter alternativas de mobilidade sem poluir o meio ambiente e sem degradar a natureza”, conta Adnei Lopes, responsável por parcerias comerciais da Pedalla.

O evento também foi palco para disseminar e propiciar o incentivo aos serviços e componentes que auxiliam e tornam a mobilidade elétrica viável, como as soluções de carregamento e a reciclagem de baterias. As empresas Engie, Eletric Mobility Brasil, JLW e Umicore apresentaram soluções para o desenvolvimento da mobilidade elétrica com foco em infraestrutura, apresentando modelos de carregadores elétricos.

Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico), comentou sobre a evolução do evento ao longo dos anos. “Esta foi a 8ª edição em que estamos na liderança do evento. Inicialmente, era um seminário. Quando eu assumi passamos a organizar o Salão do Veículo Elétrico. Esta edição mostra a evolução do mercado com empresas novas entrando no segmento e muitas outras conhecendo as oportunidades que chegam junto com os elétricos. Isto tanto no fornecimento de matéria-prima quanto no fornecimento de serviços.”

Congresso C-MOVE
O C-Move, Congresso da Mobilidade e Veículos Elétricos, apresentou cenários e perspectivas para o ecossistema da mobilidade elétrica no Brasil e no mundo. Promoveu conteúdos e discussões sobre o desenvolvimento do mercado elétrico entre autoridades, iniciativa privada e sociedade, para compartilhar as experiências e unir forçar para fazer a diferença.

O painel “Cenários para a demanda pela mobilidade elétrica no Brasil e o exemplo de outros países”, que contou com Nils Gunneng, embaixador do Reino da Noruega no Brasil, e de Marcelo Pereira, diretor da IPSOS, que apresentou a pesquisa inédita sobre o comportamento do consumidor versus veículos híbridos elétricos. “Precisamos informar a população e, depois, precisamos identificar exatamente quais são os pontos mais importantes para o consumidor, para que esse produto tenha a aderência que queremos”, explicou.

“Eu acho que o Congresso enriqueceu bastante o evento, devido a abrangência de assuntos abordados, bem divididos em tópicos e com três dias de programação. Gostei bastante da maior abrangência nos assuntos este ano, como falar mais de infraestrutura neste ano, pois temos muitas empresas hoje focando em infraestrutura de recarga. Nós mesmos também estamos focando mais nisso e é importante a presença das principais marcas com os principais veículos também”, comentou Ricardo Nakamura, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Siemens.

O público é a peça chave para que o Veículo Elétrico Latino-Americano possa cumprir sua missão de melhorar as questões ambientais. “O setor da mobilidade envolve muitos parceiros, informações e produtos de alta qualidade’’, completa Silvia Barcik.

Temas como eletrificação, cidades inteligentes e sustentabilidade também entraram em pauta. Ao total, foram 66 palestrantes e 300 congressistas que saíram satisfeitos com os resultados. “Nessa edição nós já conseguimos trazer mais marcas, aumentar a exposição, participação e discussão de fortes nomes do setor para discutirem o futuro da mobilidade elétrica no Brasil. Expositores e visitantes estão muito satisfeitos com o que encontraram e temos certeza que estamos no caminho certo para crescer cada vez mais esse mercado”, concluiu Rodrigo Afonso, gerente do Veículo Elétrico Latino-Americano.